A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgou nesta terça-feira (19) nota sobre os riscos do uso inadequado de etanol combustível como produto de limpeza e desinfecção na atual situação de crise provocada pelo novo coronavírus., causador da covid-19.

Segundo a ANP, os produtos destinados ao uso humano, ou em ambiente domiciliar, são aqueles regularizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que seguem legislação própria, pois têm níveis específicos de exigência no processo de fabricação, de acordo com o seu uso.

“A Agência estabelece, por meio da Resolução 19/2015, as especificações do etanol, anidro e hidratado, a ser utilizado para fins combustíveis, em especial em veículos automotores. O produto é comercializado diretamente nos postos de gasolina, como etanol hidratado, para abastecer veículos (com pureza – teor alcoólico – de 92,5% em massa) ou como etanol anidro adicionado à gasolina (com pureza mínima de 99,3% em massa). Limpeza e desinfecção são utilizações que requerem etanol com características específicas, distintas das presentes no etanol combustível automotivo”, esclarece a ANP.

De acordo com a ANP, além da caraterística de pureza, há risco de contaminação durante a produção, transporte e armazenamento, ainda que em pequena escala, com produtos tóxicos, tais como metanol, gasolina e diesel. “Na composição do etanol combustível automotivo, devido à matéria-prima e ao processo produtivo empregados, pode haver outros álcoois, bem como sais orgânicos à base de enxofre, ferro, sódio e potássio, cuja ingestão, ou contato com a pele e mucosas, são prejudiciais à saúde.”

Pureza

A professora Celia Machado Ronconi, do Departamento de Química Inorgânica da Universidade Federal Fluminense (UFF), confirmou, que os critérios de pureza do etanol combustível não são os mesmos do álcool em gel produzido para limpeza.

“No etanol combustível, pode haver resíduos de outros álcoois, como o metanol, que é extremamente tóxico e pode causar irritação na pele, mesmo em pequenas concentrações. Além disso, pode haver resíduos de sais de ferro, cobre, sódio e sais de enxofre que também podem causar irritações”, reforçou.

A professora explicou que o etanol combustível hidratado tem 92,5% de etanol e o restante é água. “E é muito mais volátil que o álcool 70%, que contém 30% de água, ou seja, o etanol combustível evapora com mais facilidade e não dá tempo de atuar na pele para destruir a membrana do vírus. Mesmo que seja diluído, não é adequado porque contém os resíduos tóxicos e irritantes para uso doméstico.”

Célia lembrou ainda que o álcool 92,5% é muito desidratante e removeria toda a camada de proteção da pele, causando irritações e até doenças de pele.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.