“Clube da Revista” do Hospital Geral de Nova Iguaçu qualifica a formação dos médicos

Investir e apoiar a formação de mais profissionais na região da Baixada Fluminense é um dos grandes objetivos do Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI), reconhecido pelos ministérios da Saúde e da Educação como um hospital de ensino. Uma das ferramentas utilizadas para estimular a aprendizagem é o “clube da revista”, uma atividade extracurricular que reúne, a cada 15 dias, médicos residentes e estudantes de medicina para discutir e debater artigos científicos publicados em grandes periódicos.

“É uma importante ferramenta que contribui muito para o crescimento educacional dos médicos residentes. Eles são estimulados a fazer pesquisas e publicações em grandes revistas científicas. Isso é bom para o histórico curricular desse residente e também para o paciente com artigos teóricos que podem ajudar no tratamento da doença”, destaca o diretor-geral do HGNI, Joé Sestello.

O “Clube da Revista” é uma ferramenta adotada por hospitais de todo o mundo. A troca de informações entre os médicos é o ponto alto deste debate. Com a quantidade de pacientes que o HGNI recebe mensalmente, os médicos residentes acabam tendo contato com inúmeros casos clínicos ou cirúrgicos diferentes que podem render publicações científicas importantes para criação de pesquisas e tratamentos.

“O residente recebe um artigo para fazer uma síntese e apresentar aos seus colegas a cada 15 dias. Depois fazemos uma avaliação sobre esse trabalho, sempre mantendo o diálogo e a troca de experiências com o objetivo de estimular ao residente, ao médico e ao estudante, a busca do conhecimento por meio da leitura e da escrita”, explica o médico coordenador do “clube da revista” e do Centro de Estudos do HGNI, Carlos Henrique Melo.

Para a médica Isabelle Rosisca, de 28 anos, que está no último ano da especialização em Clínica Médica, o “clube da revista” traz benefícios para a formação médica.

“No clube da revista, quando você entra para uma formação, tem que buscar o conhecimento de forma ativa. A maneira de buscar isso, hoje, no meio da medicina é com o estudo científico. Coisas que outros colegas estão relatando, trazendo benefícios teóricos e práticos”, conta ela.

Sua colega de trabalho, a médica Natália Torquato, de 28 anos, que também está concluindo especialização em Clínica Médica, fala que estes encontros tem ajudado na sua rotina dentro do HGNI.

“É importante, porque a gente acaba aprendendo com a teoria discutindo os casos com embasamento que utilizamos na hora da prática, quando atendemos os pacientes das enfermarias” conclui.  

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.